Enfrentamento Feminino Das Alterações Biopsicossociais

by Olga Paiva (30.08.2018)

Email Reply

Enfrentamento Feminino Das Alterações Biopsicossociais Planejamento Familiar para Adolescentes: Um estudo realizado com SCFV de 15 a 17 anos no CRAS Centro. Esta é subdividida em dois períodos: 10 a 14 anos, fase em que há aparecimento de caracteres sexuais secundários, e 15 a 19 anos, finalização do crescimento e desenvolvimento morfológicos. Disponível em: < ?script=sci_arttext&pid=S0100-72032006000500008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em 29 jun 2010. Palestrante e pesquisador com mais de 15 anos de experiência nas áreas de habilidades sociais, relacionamentos interpessoais, comportamento xtrabig force olivia como usar humano, religião e suas influências na vida cotidiana. Ferreira (2008) descreve os carcinomas como uma doença que se caracteriza pela ploriferação de células sem finalidades em qualquer parte do corpo, onde trinta trilhões de células vivem independentes. pré-natal é melhor caminho para a aquisição das informações com profissional da saúde, porque este leva em consideração seus sentimentos, medos, necessidades, valores culturais, estabelecendo uma relação de confiança para bem da saúde da gestante e da sua família. Os profissionais de saúde que assistem os adolescentes necessitam de competência ampla, pois, alem de enfrentar problemas biológicos, os comportamentos sociais também geram situações preocupantes como drogas, violências, conhecimento sexual insuficiente, que muitas vezes passa por despercebidos e se torna mais freqüente, exigindo dos profissionais habilidades para intervir de forma ética, livre de preconceitos, hostilidade, sarcasmo, recriminações ou mesmo demonstrar desinteresse, pois, seu compromisso não está em julgar, mas em orientar (COSTA; SOUZA, 2005). Dessa forma, se a criança convive em um meio familiar em que as pessoas não conversam muito com ela, possivelmente essa criança terá menos oportunidade de desenvolver a linguagem socialmente. Ainda em ALTMANN (1997), vimos que acompanhamento precoce com um recém nascido fissurado, em relação a sua sensibilidade acontece no seu primeiro ano de vida. Houve um aumento de interesse dos jovens para a inserção de cursos do PRONATEC, e com indicador 60% dos jovens inseridos conseguiram renda informal, despertou no adolescente interesse sobre a problemática em questão com a conscientização do uso de preservativo. Adolescentes grávidas apresentam taxa de mortalidade duas vezes maior do que mulheres adultas grávidas (STEPHENSON; ?CONNOR, 2004, p. 15). A sexualidade na educação vem se desenvolvendo de diversas formas, onde se destaca tema na educação sexual proposta pelo PCN, na modalidade de temas transversais, entretanto, ela é englobada como fonte de informação, de conhecimento, que os adolescentes precisam conhecer. A ejaculação precoce afecta 1 em cada 10 homens e pode prejudicar bem-estar psicológico do casal, pelo que é importante conhecer as suas causas e procurar tratamento. Primeiro é importante salientar que a relação sexual de um modo geral na cultura do brasileiro dá muito mais ênfase ao desempenho (principalmente do homem) do que prazer da atividade em si. homem tem que "provar" ser homem e nada melhor do que fazer isso na cama, no ato sexual, alia-se a isso, a idéia de que sucesso da "prova" está no orgasmo da parceira. Falta de orientação e conhecimento, é a possibilidade da gravidez na adolescência, e podem estar relacionados a fatores biológicos, de ordem familiar, sociais, psicológicos e contracepção. Neste período, jovem se "arrisca", oscilando entre as situações de risco "calculado", decorrentes de ação pensada, e as de risco "insensato", nas quais, expondo-se gratuitamente, pode comprometer sua vida de forma irreversível. Estatisticamente, teve-se a comprovação de que nenhuma das mães são analfabetas, que demonstra grande progresso no processo na área de educação em saúde, visto que, as mães estudantes têm mais acesso a informações acerca de métodos preventivos e saudáveis do que mães sem instrução. No caso do adolescente, esse trabalho pode favorecer a compreensão sobre sua sexualidade e questões reprodutivas, tornando- sujeito de sua vida e de seu corpo. Todos esses dados estatísticos evidenciam que cerca de 20% a 25% do total de mulheres gestantes sejam adolescentes, apontando que há uma gestante adolescente em cada cinco mulheres. Cada vez mais adolescente se liberta da velha prisão da equação que iguala corpo e sexo, e de papéis sexuais marcados e definidos por normas e limites rígidos.



This website uses cookies

You consent to our cookies if you continue to use our website.

About Cookies